sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Nostalgia dos anos 80

Hoje, na volta de uma viagem de trabalho, eu e mais duas colegas passamos por um momento nostalgia relembrando nossos gostos musicais da infância e adolescência (incluindo coreografias e a "devoção" aos ídolos)... Esta é uma conversa que sempre rende boas risadas!
Aos seis anos de idade eu já tinha meu futuro planejado - estava esperando crescer para casar com o Fábio Júnior. Eu tinha plena convicção que isso iria acontecer, quando descobri que o moço não estava disponível - era casado com a Glória Pires! Fiquei arrasada, chorei e tirei o pôster dele que ficava na porta do guarda-roupa... Foi uma decepção, mas dei a volta por cima... No mesmo ano, 1984, surgiram os Menudos e então toda minha cota de tietagem se concentrou nos porto-riquenhos. Quem viveu esta época lembra da febre que era!!! Logo que surgiram, meu preferido era o Roby, mas eu não nutria sonhos futuros com ele, não era pra casar, no máximo um casinho... Até que apareceu o Rick "novo" e eu me apaixonei de novo. 
Me lembro como se fosse hoje: março de 1985, Menudos em Porto Alegre - show no estádio Olímpico. Era um show para a família, pois a maioria das fãs não tinha idade para ir desacompanhada. Fomos eu (com 7 anos na época), meu irmão (com 5 anos), meu pai, minha mãe grávida (que perigo!) e a empregada. Assisti todo o show nos ombros do meu pai... Era a época de transição entre os Ricks (saia o "velho" e entrava o "novo") e eu me lembro até hoje da  hora que o Rick novo entrou no palco, chorei de emoção!!! Obviamente no dia do show eu estava fardada da cabeça aos pés de Menudos, mas não tenho nenhuma foto... Esta da postagem foi tirada na época, e pra variar eu estava usando meu inseparável e "discreto" broche do Rick! Que figurinha! Bom, pra encurtar a estória, os anos se passaram e o Rick perdeu a noção, fui obrigada a me desapaixonar...  Na sequência houveram outros, Marcelo do Dominó, Rafael do Polegar... Não se pode negar que os anos 80 foram muito divertidos musicalmente, não é?!
Ao narrar este episódio da minha infância acabo de me dar conta do tamanho da indiada que meus pais encararam por minha causa... Que coragem e que disposição para ir a um show desses, com duas crianças (quase três) no gramado de um estádio! O que se faz pelos filhos... Será que vou ter pique quando for a minha vez? Por enquanto sigo só com os gatos que é bem mais simples...

6 comentários:

  1. Oi Jú, retribuindo os seus comentários no meu blog. Claro que você terá pique para levar os teus filhos, quando os tiver, aos shows e, quando não puder e precisar de uns tios conta comigo e com a Vanessa! muito legal a foto criança. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Eu tb era apaixonada pelo Rick!!! hahahahahahahahahahaha
    Não fui no show então fiquei em casa e para cada avião que decolava eu chorava "..eles estão indo embora! buaaaaaaaa!"
    HAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

    ResponderExcluir
  3. Quantas paixões... quase no mesmo período,o pai nem percebeu !!!
    A vida é feita de paixões, continue apoixonada que vale a pena. Bjs

    ResponderExcluir
  4. O inspirado anônimo que postou o comentário acima é o meu pai, rsrsrs..

    ResponderExcluir
  5. Hahahahahaha, eu até que não me ligava muito nas bandas dos anos 80, meu negócio na época era a Xuxa (adoraaaava). Me lembro das meninas usando esses broches do Menudo heheheeh
    Essas nostalgias são muito boas. Esses dias no trabalho puxei meu arquivo de mp3 e toquei altas pérolas (Menudos, Joao Penca e os Miquinhos Amestrados, Luan e Vanessa...) demos muita risada!
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Olá Juliana...vou registrar aqui que não são somente os pais que fazem quase tudo pelos filhos. Naquele março de 1985 eu fui no show dos Menudos levar minha sobrinha de apenas 10 anos que morava em Rolante. Ela era "apaixonada" pelo Rey. Tive que aguentar quase todo o show com ela no pescoço afim de que tivesse uma melhor visão do palco, e com isso ganhei dela o título de MELHOR TIO DO MUNDO< hahahaha. Bom lembrar esses episódios que marcaram nossas vidas.

    ResponderExcluir